Córrego das Antas – Inverno bruto (parte 1)

Acompanhem a primeira parte dessa maravilhosa pescaria realizada em pleno inverno no Córrego das Antas. Dezenas de grandes peixes fisgados, com a aparição de muitos tambas gigantes e várias Pirararas brutonas! Sinta a adrenalina destas brigas e em breve vem a segunda parte dessa viagem que ocorreu no mês de julho!

 

 

 

Olá amigos!

Aproveitando as férias de julho, eu (Gabriel Ishiki), meu pai e nosso amigo João reforçamos as tralhas e fomos em busca dos gigantes. O local escolhido foi o Córrego das Antas que nunca nos deixa na mão. Até mesmo no inverno é possível capturar os grandes exemplares que povoam o piscoso lago do pesqueiro.

Por ter sido muito produtiva, a pescaria será dividida em duas matérias. Essa primeira foi realizada nos dias 02 e 03 de julho.

Carregamos o carro, amarramos as varas e bora pegar a estrada. Após 440 km chegamos na tarde de domingo ao sitio do meu tio, que fica a 6 km do pesqueiro. Aproveitamos para descansar da viagem e na segunda de manhã partimos para as batalhas.


Muito ansiosos, chegamos ao pesqueiro, descarregamos as tralhas, levantamos o acampamento e em pouco tempo já estávamos lançando nossas iscas na água.

Ainda na parte da manhã, meu pai e o João resolveram pegar Tilápias para usarmos de isca. O esquema usado era cevadeira, evas e miçangas. Após alguns arremessos, nenhuma Tilápia apareceu e para nossa grata surpresa as primeiras aparições foram dos legítimos Tambaquis,  que rapidamente se enganaram e mandaram as miçangas pra dentro!



Meu pai, após insistir um pouco, também engatou um gigante amazônico, que brigou por longos minutos antes de se entregar.

Gigantesco Tambaqui nos evas e miçanga!



Após dar mais algumas copadas, o João novamente engata outro verdão de respeito!



Quem também pescou conosco foi o Junior, que apesar de ser bem novo, já entende muito de pescaria e captura grandes peixes. A tarde fizemos uma ceva e o primeiro a engatar um bom exemplar foi ele. A alegria do garoto era imensa e, depois de muito esforço, o grande Tambacu foi abraçado!



Peixe solto e na mesma ceva ainda deu tempo de fazermos um dublêzinho.


Já estava escurecendo, quando meu pai deu sorte e capturou um gigante Tambacu, que depois de brigar muito e puxar linha pelo lago todo, acabou se rendendo e vindo para o Loucos!




Depois de soltarmos esse peixe, o sol foi embora e a pescaria na ceva ficou quase impossível de ser realizada pela dificuldade de visualização, porém o João arriscou um último arremesso e após alguns minutos capturou um gigantesco Tambacu.



Os equipamentos que utilizamos para os tambas são bem mais reforçados do que os usados em pesqueiros “normais”, pois no Córrego das Antas a distância de arremesso e o tamanho dos peixes exige maior quantidade de linha e bitolas mais resistentes.

EQUIPAMENTOS

GABRIEL: Vara Kenzaki 2,70m, carretilha Shimano Corvalus 401 com 150 metros de linha N1 0,45 mm

JOÃO ISHIKI: Vara Kenzaki 2,70m, Shimano Corvalus 301 com 140 metros de linha onix soft 0,40mm

JOÃO: Vara Kenzaki 2,70m, Shimano cardiff 401 com 140 metros de linha ônix soft 0,47 mm

Com a chegada da noite, iscamos as varas pesadas e mandamos para a água em busca das cobiçadas Pirararas. Não demorou muito e a primeira já estava na linha!



Já de madrugada, enquanto dormíamos, ouvi um grande barulho da catraca de uma carretilha.  Acordei para ver e era minha vara que estava com peixe fisgado! Depois de muita briga, o primeiro grande peixe arara da pescaria saiu para as lentes do Loucos por Pesca!




No dia seguinte, fomos até o sitio para tomar um banho e dar uma descansada. A tarde voltamos com força total atrás dos Tambacus e Tambaquis. Ceva na água, peixe subindo e dá-lhe vara envergada!



O esquema utilizado para a captura dos tambas foi torpedo e miçangas variadas, arremessando na ceva de ração.


Os redondos estavam comendo muito bem nesse dia e conseguimos fazer uma sequência de três grandes peixes.





Com a chegada da noite, fomos de vara em vara trocando as iscas das Pirararas e arremessando nos pontos onde costumamos fazer as capturas.

Iscas arremessadas, carretilhas reguladas e a primeira Pirarara da noite bateu na vara do João, rendendo-se após 20 minutos de briga!



Nessa pescaria tivemos o grande apoio dos nossos mais novos parceiros, Felipe e Daniel, da Penn-Raíba Carretilhas, que restauram e vendem as incríveis e robustas carretilhas Penn, as melhores e mais indicadas carretilhas para pescaria pesada dos grandes peixes de couro e pesca oceânica.

Utilizei uma Penn 45 gls, que comporta 180 metros de linha 0,92 mm, e uma Penn Senator 4/0 com a mesma capacidade de linha. São carretilhas com ótimos preços e que podem ser utilizadas tanto em pesqueiros como Castelinho e Córrego das Antas, quanto em rios na pescaria de Jaús e Pirararas.


Conheça o excelente trabalho da Penn-Raíba.

http://www.pennraibacarretilhas.blogspot.com.br


Durante a madrugada, uma forte puxada na Penn 45 gls me fez levantar rapidamente da barraca. Vara em punho, fisgada confirmada e o peixe puxando sem dó. Logo na primeira corrida, eu já sabia que o bicho era grande! Foram muitos metros de linha que a Pirarara tomou com a carretilha travada, mas após um grande esforço acabou se entregando!



Equipamento que faz a diferença na hora de uma briga violenta!



De manhã, logo que o sol começou a levantar, a vara do João sofreu uma grande puxada. Eu já estava em pé, fisguei o peixe, acordei o João e ele continuou brigando.


Outra briguenta que demorou a se render, mas que depois de um bom tempo encostou na margem para nossa satisfação.





Assim encerramos a primeira parte dessa excelente pescaria no Córrego das Antas. Aguardem a segunda parte, que está recheada de grandes peixes e belas imagens para vocês.

Abraços!

Imagens: Gabriel Ishiki, João Ishiki, João

Texto: Gabriel Ishiki

Essa pescaria teve o apoio da Penn-Raíba Carretilhas!


Pesqueiro Córrego das Antas
Glicério/SP – Bairro: Caximba
Tel: (18) 3647-6278

AGRADECIMENTOS

Hotel Fazenda Duas Marias – www.hotel2marias.com.br

O Boto – www.oboto.com.br

King Fishing – www.roupasdepesca.com.br

Penn-Raiba Carretilhas – www.pennraibacarretilhas.blogspot.com.br

Massa Farofa do Carlão

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

7 Comentarios to “Córrego das Antas – Inverno bruto (parte 1)”

  1. ONEY _ Santo André disse:

    OLÁ AMIGOS.

    Parabéns, ao Gabriel, Sr. João, belos redondos fisgados,onde tbm pude comprovar, pois eu acabava de chegar ao Córrego das Antas, onde pude encontrar os amigos do LOUCOS por PESCA, já de saida. Obrigado Sr. João pelas dicas das iscas usadas, deixei meus amigos de boca aberta…rssrsrsr, com muitos BRUTOS fisgados.
    Valeu Sr. João nos encontramos onde pudemos recordar nossa juventude da nossa cidade né, agora espero poder pescar um dia com vcs, abçs ao Gabriel e João, e a todos AMIGOS DO LOUCOS POR PESCA!!!

  2. Amigos Loucos por Pesca, é com imensa satisfação que nós do Penn-Raíba Carretilhas vemos essa nossa nova parceria se iniciando e com muito sucesso! Belos peixes sendo fisgados num belíssimo local, e por pescadores que sabem valorizar e respeitar nossos maiores parceiros que são os próprios peixes.
    Parabéns por mais uma matéria repleta de bons peixes e informações indispensáveis aos amigos leitores, você tem mesmo muito futuro Gabriel! Aguardemos agora a segunda parte com ansiedade.
    Ah, e parabéns também pelo nova cara do site, cada dia melhor!!
    Um abraço forte a todos!

  3. Isaurindo disse:

    Sou da cidade de São Carlos sp. Gostaria de saber onde que fica este pesqueiro, fiquei com muita vontade defisgar um peixinhos desses.abraçoc

  4. Felipe disse:

    cade a parte 2??? quando sai?

  5. Edson disse:

    Parabêns pelos belos exemplares. Gostaria de saber qual isca foi usada para pegar as pirararas!?!?

  6. Ailton "cupim" disse:

    Ai sim eu com o tamba foi UMA BRIGA DO CARAMBA EU COM DOR DE CABEÇA KKKKKKKKKKK

  7. Serginho disse:

    Parabéns Gabriel pela bela matéria e pelos lindos exemplares que vocês nos mostraram.
    Como você disse, esse pesqueiro nunca deixa a gente na mão;
    Ver uma matéria dessas no mês de julho, quando dizem que não se fisga nada, deuaquela vontade de voltar no Córrego das Antas.
    Abçs a todos
    Serginho

Deixe um comentario