Pescaria em Punta Cana (República Dominicana)

Para começar bem o ano de 2011, Rodolfo Lenzi e sua família fazem uma pescaria em um dos lugares mais belos do mundo. As praias de Punta Cana, na República Dominicana, unem um cenário maravilhoso com uma grande diversidade de vida marinha. Belos peixes foram fisgados, mas o pescador se irritou com a falta de esportividade dos caribenhos!

 

 

 

Mais um ano chegou ao fim e com isso também surgiu a possibilidade de um pouco de férias. O destino escolhido por minha família foi a República Dominicana, mais especificamente as deslumbrantes praias de Punta Cana.

Assim que soube que passaria um tempo em águas caribenhas, como todo e qualquer viciado, ou melhor, “louco por pesca”, já comecei a pesquisa acerca de possíveis destinos e tipos de pescaria local. Havia vários sites oferecendo seus serviços de meio período ou dia inteiro.

Com receio de fazer uma má escolha e desperdiçar oportunidade e dinheiro, resolvi esperar chegar ao local para ver de perto o que poderiam nos oferecer.  No hotel nos apresentaram os serviços da empresa “Marlins SportsCenter”. Confiando na reputação do hotel, era o melhor e mais seguro que poderíamos conseguir. E assim foi feito: contratamos uma embarcação de 42 pés para uma pescaria de 4 horas.

Muito embora o barco comporte até 10 pescadores, nesta pescaria os únicos participantes além de mim foram meu pai e irmão. A exclusividade tem seu preço, pagamos o preço de um “chater vip”, pois queríamos ter tranqüilidade e privacidade. Eles também oferecem serviços de uma pesca compartilhada em que você pesca com mais 9 estranhos no mesmo barco e se revezam nas eventuais capturas.

Nos serviços estão incluídos o transporte hotel-embarcação-hotel, bebida não alcoólica, o capitão, um marinheiro, todo equipamento de pesca e iscas para 4 horas de pescaria.

Optamos por pescar no período da manhã, pois, invariavelmente, toda tarde o tempo fechava. A van estava esperando no hotel na hora marcada e assim partimos. Logo que chegamos ao ponto onde ficam as embarcações, nos levam para uma pequena loja de artesanatos e tentam a todo custo nos empurrar as mercadorias.

Subimos ao barco “Los Vinchi II” e começamos a driblar os corais buscando o mar aberto. O caribe é realmente incrível, as águas são de extrema beleza, ora mais azuladas, ora esverdeadas, e encantam a cada olhar.

A pescaria é somente de corrico, ou “trolling”.

As iscas utilizadas são os farnangaios, com chicotes de linha mono bem espessas. As carretilhas eram da marca Penn, de diversos tamanhos e modelos.

O mar estava bem agitado. Linhas na água e em menos de dois minutos, enquanto ainda estávamos nos preparando, passando protetor solar e etc, começa a gritaria do capitão e escuto o som do alarme da carretilha disparando. O marinheiro joga a vara na minha mão, mas o peixe não fisgou. No mesmo instante outra carretilha dispara, mais gritaria da tripulação, o Dourado dá seu salto adiante.

Enquanto meu pai brigava com esse, um terceiro ainda mordeu a isca e consegui tirá-lo.

Com um começo frenético desses, achei que seria a pescaria da minha vida. Ledo engano e logo veio o primeiro desconforto. Quando os peixes chegaram perto do barco, achei que embarcaríamos e depois tiraria belas fotos. Que nada! O marinheiro, sem prévio aviso, tratou logo de embarcá-los com o “bicheiro” e jogá-los dentro do compartimento específico. Tentei questionar, mas ele disse que era assim que eles pescavam. Lembrei-me que no flyer sobre a pescaria diziam que “por uma política de incentivo, todos os peixes capturados são do capitão, mas, se você for um bom cozinheiro e quiser nos convidar, podemos repartir”.

Devemos aqui deixar registrado que, mesmo não concordando com tal situação, uma vez que o espírito que carregamos é o do pesque e solte, não havia nada que pudéssemos fazer, é o costume local e é assim que todas pescarias de turistas são feitas por lá. Portanto, tivemos que sucumbir para não deixar de pescar e, consequentemente, perder uma valiosa oportunidade de pescaria em águas tão esplendorosas.

Um exemplo bem diferente, mas geograficamente próximo, é o de Cancun (México). Lá também tive a oportunidade de pescar e fisgar bons peixes no ano de 2008, todos devidamente soltos. Vale a pena relembrar: http://loucosporpesca.com.br/wordpress/?p=19

Mais corrico e depois de um tempo sem ação, uma Barracuda aparece e trava uma briga com o Heitor.

Pois bem, continuamos corricando até que o capitão acelerou o barco. Sem entender, olhei para o marinheiro que me fez alguns gestos, indicando que estaríamos indo atrás de algumas aves, pois ali estariam os peixes. Dito e feito! Foi passar no local, o marinheiro me cutuca “mira, mira adelante!”. Olhei sobre as ondas, vi um Dourado saltando em busca de comida e no mesmo instante a enorme Penn dispara!

Mais um Dourado Dominicano!

Corricamos mais um bom tempo e as ações cessaram. Só havíamos pescado 3 horas e o marinheiro começou a recolher o material e retirar as iscas. Pensei que mudaríamos de ponto, pois pagamos por 4 horas. Vi que estávamos chegando muito próximo aos recifes e perguntei o que estava acontecendo. O marinheiro disse que estávamos indo embora. Mas como assim? Meu pai disse para não discutir naquela hora, pois na verdade  contratamos com o hotel e não com eles diretamente, logo deveríamos reclamar no hotel e que também estávamos há mais de uma hora sem ação. No hotel, como já era de se esperar, disseram que ligaram para o barco e eles falaram que pescamos por mais de 4 horas, ou seja, além de enganados por salafrários, ainda quiseram nos fazer passar por mentirosos.

Enfim, fica aquí a dica para quem um dia puder realizar uma pescaria dessas. Tome muito cuidado com a empresa que contratará e, talvez, antes de qualquer coisa, tentar conversar sobre a liberação dos peixes.

Para encerrar, registramos algumas fotos dos 4 peixes juntos.

No final das contas foi uma experiência valiosa. A América Central tem um enorme potencial para a pescaria esportiva. O lugar e os peixes dão um show a parte, vale a pena conhecer e torcer para eles mudarem os seus conceitos sobre preservação.

Abraços e boas pinchadas!

Imagens: Rodolfo, Sandro e Heitor Lenzi

Texto: Rodolfo Lenzi

E-mail: rodolfo@loucosporpesca.com.br

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

7 Comentarios to “Pescaria em Punta Cana (República Dominicana)”

  1. Ricardo disse:

    O lugar realmente é lindo, mas se continuar assim, uma hora o peixe acaba!!
    Abraços,
    Ricardo.

  2. Tomate disse:

    Não só aí, mais no mundo inteiro. :/

  3. Umberto (pai) disse:

    Rodolfo e família.
    Parabéns por levar a educação preservacionista a locais maravilhosos, onde ela ainda não chegou. Os peixes vivos agradecem e retribuirão esse respeito brindando os bons pescadores, como voces, com emoções por longo tempo.

  4. Fernando disse:

    Infelizmente ainda acontece estas coisas que nos deixa triste ao saber, quantos destes peixes não foram capturados por estes salafrários, e quantas pessoas não foram enganadas por elas, eu não vou num lugar destes nem sem mi pagar pra ir lá.

  5. Eduardo disse:

    Olá, eu irei pra punta em novembro, gostaria de saber qts dólar vc gastou pra essas 4 borás de pesca.

  6. FLAVIO MORAES disse:

    Estive em Punta Cana em junho e fomos fazer a tal pescaria em alto mar , o combinado era de quatro horas levou so tres e o comandante do barco andando a todo pau que as iscas ficavam mais fora da agua que na agua. Não pegamos nada nem podia foi so um paseio de barco que por sinal muito caro.

    Esta pescaria em alto mar e uma farsa.

  7. Luciano Wolffenbuttel disse:

    Bom dia Rodolfo Lenzi!!!!

    Vi teu comentário e as sugestões que fez, e achei excelente documentário!!!

    Rodolfo, estou indo para Punta Cana na metade do mês de setembro, não querendo abusar dos teus conhecimentos, mas como já pescou por lá tens experiencias, se puder me dar algumas dicas de qual embarcação seria ideal para pesca, qual o valor que em média eles cobram para 04 horas de pesca com 03 passageiros, dicas deste tipo, se puder me passar fico agradecido, e no retorno da pesca de te envio as fotos do peixes pescado por lá.

    Att.

    Luciano Wolffenbuttel

Deixe um comentario