Recanto do Pacu – 22/01/09

RECANTOPACU220109

Primeiramente gostaria de dar as boas vindas aos amigos leitores. Essa é a primeira de muitas matérias que faremos em pesqueiros, sempre mostrando para vocês excelentes opções de pesca. Fomos até o Pesqueiro Recanto do Pacu, localizado em Sousas, distrito de Campinas. Confira nossa farta pescaria! 

 

 

 

Olá amigos!

Para começar não poderia deixar de escolher um pesqueiro que freqüento e gosto muito na região de Campinas. O Recanto do Pacu é um verdadeiro reduto de grandes peixes e diversão garantida. Famoso por suas grandes pirararas de até 50kg e tambaquis de 30kg.

Além de estar localizado numa área cercada por muita natureza, encontramos pessoas educadas e que se dedicam muito ao que fazem. Árvores, gramados e diversos animais compõem um local tranqüilo e agradável.

O pesqueiro foi fundado em 1993 pelo senhor Raimundo, proprietário até hoje do local, demonstrando seu sucesso e paixão pelo que faz. Sempre disposto a ajudar seus clientes, é garantia de uma boa conversa.

Infelizmente não tivemos sorte na escolha do dia. Muito vento e um pouco de frio marcaram presença na maior parte da nossa pescaria, mas mesmo assim belos exemplares foram fisgados. Imaginem esse pesqueiro com tempo bom então.

Começamos armando as varas de fundo e logo em seguida as com bóia para pescar na superfície.

Os peixes não estavam subindo pra comer a ração devido ao vento e por isso as cevadeiras logo foram trocadas por torpedinhos.

Nas de fundo a isca principal foi a salsicha e massa mafish.

Após 30 minutos de espera começaram as fisgadas e os primeiros peixes a aparecem foram os redondos de pequeno tamanho.

André – Tambacu (mafish no fundo)

Kleber – Tambacu (tripa de galinha na bóia torpedinho)

A tripa de galinha estava sendo a preferência dos peixes. Usei chicote de cerca de 1 metro de altura e linha 0,50mm. Muitos outros peixes foram fisgados com essa isca, mas como os exemplares eram pequenos resolvemos mudar a tática.

André aproveitou esse intervalo para pescar um pouco no lago de baixo atrás de pegar algumas tilápias com vara de mão.

 André – Tilápias (miçanga na bóia)

Foram fisgadas diversas tilápias mostrando que o Recanto do Pacu é excelente opção de pesca para os mais variados gostos. Nesse tanque há muitos peixes de menor porte, como: tilápias, pacus de 2kg entre outros.

Há também ao lado um outro tanque apenas para a pesca de tilápias, onde estão as maiores.

Os peixes maiores estavam manhosos. Como o vento deu uma pequena diminuída por alguns minutos resolvi montar uma vara com uma bóia de tilápia e usando como isca a ração a 15 cm da superfície. Dessa forma não fiz chicote e estava com uma linha de 0,30mm. A vara usada também era super leve e pequena, certamente me traria muita emoção numa briga com um peixe maior.

Não demorou mais de 5 minutos e uma forte puxada levou a bóia com tudo para baixo. Na expectativa comecei a briga com o peixe. Diversas corridas e nada dele se entregar. Como estava com material ultra-leve não poderia forçar e tive que trazer com bastante calma. Mas a certeza de um peixe maior já me motivava a ter paciência. Depois de um tempo consegui tirá-lo da água.

Tambacu 10kg (ração na bóia)

Na seqüência fisguei outro tambacu na bóia torpedinho com chicote de 30cm e linha 0,50mm. Pelas puxadas o tamanho era superior ao outro, mas o peixe conseguiu escapar.

Nesse momento o vento voltou com muita força atrapalhando nossa pescaria na superfície.

Mas poucos minutos depois, a vara de fundo de André que estava a 3 metros da margem deu uma puxada, e na seqüência uma boa corrida. Com certeza era o primeiro Pintado ou Cachara da pescaria, e não deu outra.

André – Pintado (salsicha no fundo)

Motivados com a primeira aparição de um peixe de couro, resolvemos não ir a lanchonete para comer e pedimos uma porção de polenta frita para comermos na beira do lago mesmo.

O Recanto do Pacu serve salgados e diversas porções, entre elas: filé de peixe, calabresa, batata frita, queijo, salame e lanches.

Já experimentei quase todas nas outras vezes que freqüentei o pesqueiro e posso garantir que são uma delicia.

Entre uma petiscada e outra na porção, muitos peixes começaram a beliscar nossas iscas de fundo próximas a margem.

Foi nesse momento que a vara de fundo do André deu uma bela envergada e o peixe correu pro meio do lago. Foram diversas corridas e no final o peixe foi margeando a beirada fazendo com que André tivesse que passar entre as varas dos outros pescadores presentes, sempre tomando cuidado para não cruzar nenhuma linha. No final uma bela recompensa.

André e Sr. Raimundo – Pintado 10kg (salsicha no fundo)

No momento de tirar o belo exemplar da água temos a vida facilitada no Recanto do Pacu, pois a água fica na mesma altura do gramado.

Do outro lado do lago um grupo de amigos começaram a fisgar seus peixes de couro também e fui até lá pra tirar uma foto.

Quando retornei percebi que minha bóia tinha afundado. O peixe já estava fisgado e só tive o trabalho de recolher. Estava usando 1/3 de salsicha flutuante.

Enquanto trazia o peixe vi minha vara de fundo envergar com força e a linha esticar em direção ao meio do lago. Sai correndo e consegui chegar a tempo.

Kleber – dois peixes fisgados ao mesmo tempo

Como ia ser bem complicado ficar trazendo os dois peixes ao mesmo tempo passei a vara de fundo para o meu pai que tinha chegado no pesqueiro minutos antes.

Tirei o tamba e ao fundo pode-se observar meu pai com o passaguá tirando a pincachara.

Kleber – Tambacu (salsicha flutuante)

Eu gostaria de tirar foto com os dois peixes juntos, mas para não deixar o Tambacu fora d´agua por mais tempo resolvi já soltá-lo. Os pescadores devem preservar ao máximo os peixes.

Em seguida eu e André tiramos a foto com a Pincachara.

O final da tarde estava se aproximando e a promessa era de muita ação.

Meia hora após soltar a primeira Pincachara, mais um exemplar apareceu e novamente na salsicha no fundo. A distância da margem foi sempre algo em torno de 2 metros. Dessa vez o peixe era um pouco menor.

André – Pincachara (salsicha no fundo)

André soltando a Pincachara

Aproveitei que outros pescadores desocuparam a esquina do lago e armei minha vara de fundo com salsicha na esperança de fisgar alguma das gigantes Pirararas que habitam o lago do pesqueiro.

Menos de 5 minutos após, minha vara quase foi pra água. Tentei garantir a fisgada, mas infelizmente a linha não agüentou. Isso que eu estava com linha 0,50mm direta no anzol. É importante deixar a linha frouxa e sem chumbada, ou com um chumbo bem pequeno, pois esses peixes maiores costumam ser manhosos.

Empolgado com o acontecido repeti a tática e joguei outra vez a salsicha ali na beirada.

Poucos minutos depois outra puxada e uma boa envergada. Esperançoso corri e fisguei o peixe, mas conforme fui trazendo percebi que não tinha muita força. Logo era praticamente impossível ser uma Pirarara. Rapidamente trouxe e fui surpreendido com um Catfish de excelente tamanho.

Kleber – Catfish 6kg (salsicha no fundo)

Após soltar já comecei a guardar as varas para ir embora.

Já André demorou um pouco mais e logo em seguida começou uma briga bem pesada com um Tambacu. O peixe tomava muita linha e após muito tempo conseguimos ver sua cara. Era um Tambacu daqueles bem pretos e com pelo menos 15kg.

Enquanto André brigava com seu belo peixe, sua outra vara envergou e comecei a trazer o peixe. Queríamos tentar tirar os dois ao mesmo tempo, mas logo percebemos que o peixe dele demoraria mais. Então tirei o meu tambacu da água.

Kleber – Tambacu (salsicha no fundo)

Nesse momento um enorme Dourado deu uma seqüência de 3 saltos bem altos. Um pescador do outro lado do lago tinha fisgado o grande exemplar. Infelizmente o peixe conseguiu escapar. Tinha cerca de uns 10kg.

Após quarenta minutos de muitas vindas na beirada e corridas pro meio do lago, o grande Tambacu estourou a linha e deixou André um pouco frustrado.

Mas saímos do pesqueiro muito satisfeitos por ter tido uma pescaria muito produtiva se levada em conta o péssimo tempo que fez o dia inteiro.

Não vemos a hora de voltar ao pesqueiro pra tentar fisgar novamente os grandes Tambaquis e Pirararas.

Segue abaixo algumas fotos dos grandes peixes do Recanto do Pacu cedidas pelo Sr. Raimundo:

Gostaria de agradecer ao senhor Raimundo e sua esposa Geralda que nos receberam muito bem no seu agradável pesqueiro.

Recanto do Pacu é uma excelente opção de pesca para Campinas e região.

Imagens: Kleber Sanches e André Billi

Texto: Kleber Sanches

E-mail: kleber@loucosporpesca.com.br

Pesqueiro Recanto do Pacu
Condomínio Colinas do Atibaia, Portão 3
Sousas – Campinas – SP
(19) 3258-6019 –  (19) 9713-7841

www.recantodopacu.com.br

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

2 Comentarios to “Recanto do Pacu – 22/01/09”

  1. josias disse:

    quero saber onde fica a cidade e o bairro

  2. roberto lopes disse:

    toloco pra conhecer vo fazer o possivel …. quero ver se e tudo isso mesmo que mostra nas fotos vo bem equipado pra esses bruto ai abraços ……..

Deixe um comentario