Córrego das Antas – Inverno pesado!

CDANTAS67

O Loucos por Pesca esteve no Pesqueiro Córrego das Antas no mês de julho e como sempre tivemos muitos gigantes na ponta da linha. Esse é um pesqueiro que se você se dedicar a recompensa vem! Confira nossa matéria com muito bicho bruto, entre gigantes Pirararas e muitos tambas bitelos nas anteninhas!

 

 

 

Olá amigos do Loucos por Pesca.

Fugindo do frio dos últimos meses, pegamos a estrada e fomos a caminho do Pesqueiro Córrego das Antas, localizado em Glicério-SP, local onde as temperaturas caem menos do que nos pesqueiros mais próximos da cidade de São Paulo.

Chegamos ao pesqueiro bem cedo e fomos logo montando as famosas boias cevadeiras da JR Pesca, que vem em boa fase na captura dos gigantes do local. Logo pela manhã, o primeiro peixe foi engatado nos evas do parceiro “As Matadeiras”.

CDANTAS01

Um lindo peixe na cevadeira já para abrir a nossa pescaria.

CDANTAS02

CDANTAS03

CDANTAS04

Embalado no início promissor, insisti na pescaria de cevadeira e o resultado veio rápido! Mais um grande Tambacu veio para a foto. Capturas proporcionadas pelos fortes parceiros do Loucos: boias JR Pesca, As Matadeiras e King Brasil.

CDANTAS72

CDANTAS71

CDANTAS69

Após essas capturas, chegaram no pesqueiro o Gustavo e o Flávio, pescadores da região, que conheci naquele momento e que nos acompanharam durante esse dia, realizando grandes capturas. O Gustavo foi o primeiro a fisgar e logo de cara viria o famoso verdão, também capturado na superfície.

CDANTAS05

CDANTAS06

CDANTAS08

CDANTAS07

O Flávio não ficou para trás e também tirou um gigante Tambaqui, peixe acima dos 30 kg. Mais uma vez capturado utilizando boia cevadeira, o que animava mais ainda a pescaria.

CDANTAS10

CDANTAS09

CDANTAS11

CDANTAS12

Neste dia era aniversário do Gustavo e vindo em complemento ao primeiro presente, o pescador capturou mais um gigante amazônico, fechando o dia com chave de ouro e agradecendo a bela comemoração de aniversário.

CDANTAS15

CDANTAS14

CDANTAS13

CDANTAS16

Com a chegada da primeira noite, a hora era das Pirararas. Armamos as varas de maior resistência, iscamos as tradicionais Tilápias vivas e cabeças de Tilápia. Em pouco tempo veio a primeira “laranjinha”.

CDANTAS17

Animado com a rápida captura, me dediquei à pescaria dos peixes arara e no início da madrugada fiz o primeiro dublê da pescaria.

CDANTAS18

CDANTAS19

No dia seguinte, meu pai fisgou mais uma Pirarara.

CDANTAS22

CDANTAS21

Começando a pescaria com bóias cevadeiras, armamos dois equipamentos cada um e iniciamos os arremessos afim de atrair os peixes redondos para nossas iscas. Os equipamentos utilizados foram varas de 2,10 a 2,70m, para possibilitar grandes arremessos, necessários no lago de grande extensão do pesqueiro, carretilhas com capacidade de 100 a 120 metros de linha 0,35 a 0,40mm e também as já consagradas boias JR, grande parceiro do Loucos Por Pesca, que surpreende pela qualidade dos produtos, proporcionando arremessos longos, grande capacidade de ração, resistência e leveza no recolhimento.

CDANTAS23

O primeiro a fisgar um grande peixe foi o meu pai.

CDANTAS24

A isca que garantiu o Tambacu de respeito foi a ração furadinha do nosso amigo Gustavo. Agradecimentos especiais também ao nosso grande parceiro King Brasil, sempre nos trazendo roupas de pesca confortáveis, leves e muito descoladas.

CDANTAS26

CDANTAS25

Alternando um pouco a pescaria, fui até o fundo do lago, próximo as taboas, arriscar uma pescaria diferente. Armei uma vara com um torpedo “hulk” da JR, isquei uma Tilápinha viva e arremessei a dois metros das taboas. De forma impressionante, a boia afundou e o peixe saiu tomando linha em direção ao meio do lago. Após muita briga pudemos observar que se tratava de uma monstruosa Pirarara!

CDANTAS27

CDANTAS28

Peixe maravilhoso!

CDANTAS29

CDANTAS30

Prazer imenso em soltar um belo exemplar como este.

CDANTAS31

Voltando para a pescaria de cevadeira, a dificuldade dessa vez estava maior. Muitos peixes foram perdidos e a insistência teve que ser grande para garantir a fisgada.

CDANTAS32

Apenas no final da tarde consegui abraçar um belo Tambaqui para encerrar o dia.

CDANTAS33

CDANTAS34

CDANTAS35

Neste dia chegaram mais 2 integrantes da equipe, Gilmar e Muryllo, e o nosso amigo Rafael para completar o time. Os pescadores chegaram animados e a noite foi repleta de bons peixes. O primeiro a capturar foi o Rafael, trazendo uma pirarara, que teve a minha companhia com um peixe de menor porte.

CDANTAS36

CDANTAS37

Em seguida, outra Pirarara animou a noite.

CDANTAS38

Continuando a nossa pescaria relato a vocês uma boa surpresa que tivemos. Os Tambacus, que são mais ativos durante o dia, dessa vez estavam com fome também durante a noite e o Muryllo aproveitou bem essa surpresa e iniciou as capturas.

CDANTAS40

A pescaria estava boa e em seguida o Rafael fisgou mais duas Pirararas e o Muryllo mais dois Tambacus na cevadeira, sendo que o maior deles veio para o registro.

CDANTAS41

CDANTAS42

CDANTAS43

Com a chegada do frio, as ações diminuíram e aproveitamos para descansar, porém deixamos algumas varas na água e no meio da madrugada um pão iscado pelo Gilmar foi sugado e um bom peixe foi fisgado.

CDANTAS44

CDANTAS45

O dia seguinte foi iniciado da mesma forma que o anterior, com uma Pirarara nos dando “bom dia”.

CDANTAS46

Neste dia a pescaria dos grandes peixes redondos estava complicada e somente no fim do dia fomos recompensados. Novamente após grande insistência e dedicação ao nosso propósito conseguimos o resultado. Depois de 40 minutos de briga intensa retirei o meu maior Tambacu da viagem, superando os 30 kg.

CDANTAS47

CDANTAS48

CDANTAS49

E para completar a fotografia meu pai capturou uma Pirarara.

CDANTAS51

CDANTAS50

Com o fim do dia, as ações melhoraram e o primeiro peixe da noite foi uma bela Pirarara fisgada na cabeça de Pacu.

CDANTAS52

Em seguida, voltamos à cevadeira noturna e um belo tambão foi pego. Novamente na antena com evas do parceiro “As Matadeiras”.

CDANTAS53

CDANTAS54

Utilizando cabeça de Pacu e de Tilápia, mais um dublê foi feito, dessa vez com os pescadores Gilmar e Muryllo, peixes capturados de 3 a 5 metros da margem.

CDANTAS55

CDANTAS56

Antes de encerrarmos o dia de pesca, o Rafael fisgou mais uma pira e o Gilmar também capturou um belo peixe. Novamente exemplares fisgados com iscas naturais do próprio pesqueiro. Lembrando que do lago é permitido utilizar somente pequenas Tilápias como isca. A cabeça de Pacu pegamos no limpa peixe de pescadores do pesque pague.

CDANTAS57

CDANTAS58

CDANTAS59

No último dia de pescaria, as dificuldades também foram grandes, mas a recompensa veio na mesma proporção para o pescador Gilmar, que iniciou o dia posando com um belo peixe de couro.

CDANTAS62

CDANTAS60

CDANTAS61

Durante o dia, as ações não existiram e depois de muita tentativa o Gilmar fisgou o maior Tambacu da pescaria. O peixe deu muito trabalho e causou tensão ao pescador. A cada puxada de linha, víamos a vontade do nosso parceiro em abraçar o bichão. Após muito cuidado, o tambão foi retirado e vimos o tamanho da encrenca!

CDANTAS63

CDANTAS65

CDANTAS64

Gigante!

CDANTAS66

CDANTAS67

Para fechar a viagem, o Gilmar ainda capturou a última Pirarara, encerrando essa bela pescaria.

CDANTAS73

CDANTAS74

Agora vamos deixar algumas dicas aos amigos que gostariam de bons resultados no pesqueiro.

Para Pirararas:

Equipamento médio a pesado, linhas 0,50 a 0,70 em locais sem estruturas e 0,80 ou 0,90 nos cantos onde existem paus, raízes, plantas aquáticas, entre outros. Carretilhas que comportem próximo a 100 metros de linha e varas proporcionais à resistência da linha.

Iscas, particularmente, eu uso somente peixes do próprio lago, Tilápias ou restos dos peixes limpados no pesqueiro, porém também são eficientes demais iscas naturais e vivas, como: ovo, queijo, salsicha, Tuvira, Piramboia, Minhocoçu etc.

Para Tambaquis e Tambacus:

Os equipamentos utilizados foram varas de 2,10 a 2,70 m para possibilitar grandes arremessos, necessários no lago de grande extensão do pesqueiro. Carretilhas com capacidade de 100 a 120 metros de linha 0,35 a 0,40mm. Quanto as iscas, a dica no momento são as boias cevadeiras, com as tradicionais antenas e suas variações ou ração afundada e também a tradicional pescaria de torpedos, com iscas como: ração, minhocoçu, pão etc.

Lembrando também que, além do preparo técnico da pescaria, o físico e psicológico também são muito importantes. Nessa pescaria, por se tratar de inverno, as capturas foram dificultosas e apesar de grandes peixes serem capturados, só existiu essa possibilidade pela dedicação e grande atividade dos pescadores. A persistência faz a diferença no sucesso da pescaria!

Grande abraço a todos e boas pescarias.

Imagens: Gabriel Ishiki, Gilmar Dechen e Muryllo Santos

Texto: Gabriel Ishiki

Pesqueiro Córrego das Antas
Glicério/SP – Bairro: Caximba
Tel: (18) 3647-2035

AGRADECIMENTOS

Loja Pró Pesca Shop – www.propescashop.com.br

Massas Black Fish – www.facebook.com/massablackfish

King Fishing – www.roupasdepesca.com.br

King Brasil – www.kingbrasil.com.br

As Matadeiras – www.facebook.com/asmatadeiras

JRPESCA – www.jrpesca.com.br

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

Deixe um comentario