PARAÍSO VERDE – QUE INVERNO FOI ESSE?

PARAISOGABRIEL54-600x450

A Equipe Loucos por Pesca voltou novamente no Paraíso Verde para provar que nesse lugar não tem tempo ruim. Pela primeira vez no pesqueiro, nosso pescador Gabriel Ishiki e seu pai João, fizeram uma pescaria de tirar o fôlego em pleno inverno! Dezenas de gigantes, muitos tambas, Cachapiras e Pirararas!

 

 

 

Olá amigos do Loucos.

Fugindo do frio de São Paulo, pegamos a estrada e fomos até Goiás, em busca de águas mais quentes e peixes mais ativos. O local escolhido foi o Pesqueiro Paraíso Verde, situado em Campo limpo de Goiás, local com estrutura impecável, perfeito para quem busca descanso, tranquilidade, uma pescaria com gigantes exemplares e muita emoção em meio a um ambiente preservado e muito contato com a natureza.

Após uma longa viagem, chegamos no pesqueiro no final da tarde, onde fomos muito bem recebidos pelo Junior, proprietário do local, que nos mostrou a estrutura do Paraíso Verde. Depois de conversar com pescadores, pegar algumas dicas e traçar os planos de “ataque”, fomos montar os equipamentos.

Antes de escurecer ainda capturamos alguns Tambacus na cevadeira, mas a pescaria realmente começou com a chegada da noite e o ataque frenético das Pirararas. Duas horas após a chegada da noite, tivemos a primeira puxada e a partir dai as ações não pararam mais.


O segundo ataque veio logo em seguida.


Após a captura dos primeiros exemplares, ficamos impressionados com a força dos peixes do lago e a pescaria estava animada. Logo em seguida mais uma Pirarara veio pra foto. Apesar das Pirararas serem bem parecidas, podemos identificá-las pelas manchas na lateral do corpo, que são suas características únicas, uma espécie de identidade, uma digital.



Alguns Tambacus também foram capturados na noite. No primeiro dia tivemos o prazer de conhecer o Rogério, pescador assíduo do local e leitor do Loucos por Pesca, que nos passou algumas dicas e pescou um tempo conosco.



Nessa pescaria utilizamos cabeças e guelras de Tilápia para a captura das Pirararas.

Nessa noite as Pirararas estavam esfomeadas e os intervalos entre as capturas não passavam de 30 minutos.

Após dar uma breve descansada, mais um ataque e dessa vez uma gigante pira veio abocanhar a cabeça de Tilápia.



Logo uma de tamanho mais modesto também aparece para o Loucos por Pesca.

Mesmo com o amanhecer as Pirararas não pararam e nos primeiros raios do sol fizemos um dublê com duas belas Pirararas.


Quarenta minutos depois outra vara envergou e mais uma gigante veio nos dar bom dia.




Após mais de 15 ataques, longas brigas, algumas perdidas e muita ação, as Pirararas se acalmaram e foi hora de armar as boias e começar a pescaria dos peixes redondos. Logo nas primeiras copadas eles começaram a comer ao redor de nossas boias cevadeiras e rapidamente tínhamos um Tambacu na ponta da linha.



Uma Cachapira também foi capturada na salsicha boiando.


Com os tambas comendo bem, as fisgadas estavam constantes.



Em uma grande explosão no meio do lago, capturei uma gigante Tambatinga, que deu muito trabalho para se render, tirando muita linha da carretilha.



Durante todo o dia os peixes não paravam de comer a ração jogada no lago. As ações eram frequentes, nem tirávamos fotos de todos os peixes, pois a vontade de jogar a boia no meio do fervo era maior.


Com a chegada da noite, revisamos as varas armadas para os peixes de couro, trocamos as iscas e ficamos na espera. Dessa vez os peixes estavam mais tímidos e apenas dois exemplares foram capturados na noite.



Aproveitamos para descansar, pois o último dia tinha sido bem cansativo.



No segundo dia, dando uma volta no lago, percebi uma grande quantidade de Cachapiras e Pincacharas concentradas em um canto do lago nadando na superfície. Sem pensar duas vezes,  busquei duas varas e armei naquele canto com salsicha boiando. Não demorou muito e as duas varas puxaram ao mesmo tempo, então gritei pro meu pai vir me ajudar e com muita alegria tiramos os dois belos peixes.

Com cevadeiras em mãos era hora dos redondos e as ações começaram cedo. Os peixes do Paraíso Verde comem a qualquer hora do dia e as capturas ocorrem a todo momento.

Durante o dia alternávamos entre redondos, Cachapiras e Pincacharas.

O local é realmente o paraíso e meu pai também garantiu belos exemplares.

Observando o lago, avistei alguns estouros diferentes na flor da água, enchi minha cevadeira, caprichei no arremesso e instantaneamente grandes lombos apareceram em volta da boia. De repente um grande estouro carregou tudo pra baixo e depois de muita briga abracei mais um gigante Tambacu.

Também fisguei uma gigante Cachapira no final da tarde.

A pescaria estava perfeita, mas a última noite nos reservaria algumas surpresas. Como de praxe, revisamos as varas pesadas e ficamos na expectativa. Em uma das varas médias isquei meia salsicha boiando e deixei próxima da margem. Algum tempo depois ouvi o alarme da carretilha gritando alto e corri atá a vara para encarar a briga, que foi feia, onde o peixe puxou muitos metros de linha. Pela brutalidade tinha certeza de que era uma Pirarara, mas para nossa surpresa era uma gigantesca Cachapira.

Eu nunca tinha visto um exemplar tão grande dessa espécie nem em fotos.

O Maicon, que nos acompanhou em toda pescaria, também garantiu seus exemplares.

Nesse momento os peixes deram uma trégua e aproveitamos para descansar um pouco. No meio da madrugada mais um alarme soou e lá fomos nós. Dessa vez era uma vara pesada, armada com linha 0,90mm, arremessada no meio do lago. O peso era grande e com muito trabalho tiramos o maior peixe da pescaria, uma Pirarara com a barriga gigantesca, peixe muito saudável e com uma força incrível.

Já muito satisfeito, achei que a pescaria tinha acabado por ali, mas fomos surpreendidos novamente e mais dois belos peixes foram capturados. O primeiro era mais uma gigante Pirarara, pega na cabeça de Tilápia, peixe que também nos deu muito trabalho.

Em seguida mais uma bela Cachapira, com uma coloração inusitada, fechando a pescaria da melhor maneira possível e comprovando a qualidade e piscosidade do Paraíso Verde, lugar que entrou pra minha lista dos melhores pesqueiros que já fui e com certeza retornarei. Indico seguramente o Paraíso Verde para todos os amantes do nosso esporte.

Agradecemos muito ao Junior, proprietário do Paraíso Verde, ao Maicon, ao Rogério e a todos funcionários do pesqueiro que são muito atenciosos.

Espero que tenham gostado das imagens e em breve teremos o vídeo dessa espetacular pescaria.

Abraços!

Imagens: Gabriel Ishiki e João Ishiki

Texto: Gabriel Ishiki

Paraíso Verde – Campo Limpo de Goias

Fones: (62) 3345-1518 / 9159-1059

www.paraisoverde.eco.br

AGRADECIMENTOS

King Fishing – www.roupasdepesca.com.br

King Brasil – www.kingbrasil.com.br

Penn-Raiba Carretilhas – www.pennraibacarretilhas.blogspot.com.br

As Matadeiras – www.facebook.com/asmatadeiras

Massa Farofa do Carlão

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

6 Comentarios to “PARAÍSO VERDE – QUE INVERNO FOI ESSE?”

  1. Rogerio antonio de oliveira disse:

    Obrigado Gabriel, Tava lendo a materia sobre o Paraiso Verde quando me deparei com uma foto minha fiquei surpreso com a consideração, muito obrigado valeww Loucos . Gabriel abraços ao seu jão feliz por conhece-los. Abraço.

  2. Bruno Cia disse:

    Nota 10 !!!!!

  3. Marcinho disse:

    fantastico!!!!!!!!!!!!!!!!

  4. Serginho disse:

    Linda matéria, só ótimos exemplares.
    Mas como foram fisgados os tambas?
    Abçs
    Serginho

  5. Sergio disse:

    Srs,

    Haja braco……….. Excelente pescaria !!!!!!! Parabens !!!!!

  6. mauro alonso disse:

    ola amigos, parabens pela materia, gostaria de saber se no paraiso tem hospedagem…
    e os tambas foram pegos em antenas?

    quero muito ir la nas minhas férias.

    grande abraço e otimas pescarias..

Deixe um comentario