LAGO AZUL – MELHOR DO QUE NUNCA! 11/02/14

AZULLAGO01

Nossa equipe traz uma grande novidade sobre o Pesqueiro Lago Azul. Foi feita uma dragagem no lago, retirando o excesso de sujeira no fundo do tanque, o que está tornando os peixes bem ativos novamente. Claro que o Loucos por Pesca foi testar a mudança e o resultado foi excelente, um show de baguás e Pirararas!

 

 

 

Olá amigos do Loucos!

É do conhecimento de todos que a situação está critica em diversos pesqueiros da nossa região. As altas temperaturas e a falta de chuvas resultam na baixa oxigenação da água, que tem sido o grande problema para os pescadores e principalmente para os peixes.

Após algumas conversas com o Marcão, um dos proprietários do pesqueiro Lago Azul, ele nos informou que estava realizando o processo de dragagem, que nada mais é do que a limpeza do fundo do lago, retirando o excesso de dejetos com o auxilio de dragas de sucção. Todo pesqueiro deveria realizar esse processo, pois como observamos nos lugares que realizam essa limpeza, dificilmente ocorre a morte dos peixes e o numero de ações aumenta consideravelmente.

Apostando nisso, assim que terminou a dragagem do lago, ligamos para o Marcos e agendamos nossa pescaria. Eu (Fernando) e meu irmão Edgard, fomos conferir os resultados dessa limpeza e a resposta não poderia ter sido melhor.

Chegamos cedo e logo rumamos para nosso ponto de pesca para arrumar nossas tralhas. Começamos pescando com boia torpedo e pão flutuando e para as Pirararas iscamos as varas com guelra e mussarela.

Varas lançadas e já fui arrumar minha cevadeira, porém mal comecei a montagem e ouvi o alarme da vara com guelra soando alto, me chamando para a batalha, então corri e fisguei. Confesso que tive dificuldade para tirar a vara do suporte, já sabia que tinha uma grande Pirarara na ponta do anzol. Com equipamento pesado, pude conter suas corridas e dominei a briga até a bitela encostar na margem. Logo de cara uma Pira cavala!





Voltamos e notei que um dos torpedos estava sem o pão. Isquei outro e mandei no mesmo lugar. Não demorou e logo bateu outro peixe, que errou o bote, mas a isca ainda estava lá. Peguei a vara na mão e fiquei na espera, até que em uma bocada sutil o pão foi sugado. A boia ficou parada um instante, começou a deitar lentamente, recolhi o excesso de linha e fisguei firme. A boia parou em cima e o bichão já colocou o rabo pra fora. Passei a vara, que era do meu irmão, pra ele e já lhe confirmei: “Vai com calma que é Baguá!”. Não demorou muito e lá estava o parrudo pranchando. Começo arrasador!


Dá-lhe baguá pro Loucos!



Depois dessa correria, os peixes deram um descanso para nós, mas que não durou muito. A vara iscada com mussarela desce e o Edgard assume a batalha. Era mais uma Pirarara, essa de menor proporção, mas não menos briguenta.



Enfim tínhamos montado o equipamento de cevadeira, com chicote de 2,5m, boia guia e as anteninhas “As Matadeiras” do nosso grande parceiro Claudionor. Eu comecei pescando com evas claros e bolinha de futebol vermelha, enquanto meu irmão usava evas escuros e miçanga sorocaba.

Nas primeiras copadas já vimos que os bichos estavam com fome e assim se iniciou uma boa sequência de capturas na cevadeira. Tiro meu primeiro tamba e o Edgard já vêm em seguida com um belo peixe também fisgado na antena.




Os peixes detonavam na ceva e era só esperar que eles explodissem em nossas montagens. Rapidamente já fisgo mais dois Tambacus de respeito. Esses brigaram muito, diga-se de passagem, característica de todos os peixes que fisgamos. Eles estavam saudáveis e brigadores. Dá-lhe Tamba!


As Matadeiras neles!



Meu irmão insistia nos evas escuros e miçanga sorocaba e foi premiado novamente. Após uma bela explosão e uma fisgada certeira, lá estava ele com mais um bitelo engatado! Briga digna de peixe grande, sempre na superfície, corridas curtas e muito peso! Ele foi trabalhando com calma, fazendo o bichão cansar, e na primeira oportunidade que tive encestei o cavalo e foi só alegria.


Mais baguá no Loucos!



Após essas fisgadas, ficamos um bom intervalo sem ações. Os peixes deram um tempo na cevadeira e as Pirararas pareciam estar sem fome. Trocamos as iscas e colocamos algumas guelras no anzol, formando a famosa “peruca”. Pouco tempo depois, a tática surte efeito, vara descendo e outra Pirarara engatada. Assistindo a briga, me parecia ser das boas, e era mesmo. Assim que ela encostou, a puxei pra fora e começou a sessão de fotos.



Mais uma bela Pirarara fisgada na guelra.


Tivemos também outras espécies entrando nas varas armadas com mussarela. Recebemos ataques de duas bonitas Pincacharas e também do valente Pintado Real.





O final da pescaria se aproximava e começamos a cevar pra valer. Testei várias antenas diferentes e não encontrava nenhuma que atraísse os peixes naquele momento. Resolvi arriscar e lancei o “caveirão”, miçanga que importamos com formato de caveira, na qual já havíamos fisgado bons peixes. Armei com evas caramelos, mandei no meio da ceva e, alguns arremessos depois, quase desistindo da miçanga, tomo uma pegada forte e fisgo com firmeza! Peixe engatado, brigando demais, trabalhei com calma para não correr risco de perder o bitelo e, finalmente com ele no passaguá, pude respirar aliviado. Caveirão neles!!!


Bicho bem gordo!


Infelizmente, sem nenhum motivo aparente, os peixes praticamente pararam de subir na ceva e era preciso insistir muito para conseguir capturá-los. Fato estranho, pois é nessa hora que os peixes costumam comer com mais vontade. Pegamos ainda mais três tambas no pão boiando, que parecia ser a única isca interessante para eles naquele momento.



Belo Tambacu no pão!



Fomos desarmando lentamente as varas para os tambas e deixando as de Pirarara por último, apostando sempre nas fisgadas no finalzinho do dia, fato corriqueiro nas pescarias do Loucos. E para deixar aquele gosto de quero mais e aquela vontade de ficar mais tempo, engatamos duas Pirararas de pequeno porte, mas que vieram pra mostrar como a limpeza do lago surtiu resultado. Há tempos que as piras estavam um pouco sumidas, mas com certeza a dragagem, e a soltura de alguns novos exemplares, mexeu no lago e fez com que elas saíssem à caça novamente.



O nosso amigo Felipe Silva foi sendo informado praticamente em tempo real dos resultados da nossa pescaria e só teve ainda mais certeza de que era no Lago Azul mesmo que ele devia ir para aproveitar uma folga no trabalho que ele teve dias depois. Confira abaixo alguns dos gigantes fisgados por ele.





É isso ai pessoal. Conferimos de perto o efeito do processo e podemos confirmar que o Lago Azul está melhor do que nunca. Lembrando que o pesqueiro mudou de nome, o qual será divulgado em breve.

Aproveito para agradecer o Marcão pela confiança e amizade que sempre teve conosco.

Um abraço a todos e boas fisgadas!

Imagens: Fernando Paiva e Edgard Paiva

Texto: Fernando Paiva

ANTIGO PESQUEIRO LAGO AZUL
Bairro Lago Azul – MOGI-GUAÇU/SP
Tel: (19) 9259-4474 (Marcos) ou (19) 9604-8078 (Carlos)

AGRADECIMENTOS

Romano Pesca – www.romanopesca.com.br

King Fishing – www.roupasdepesca.com.br

King Brasil – www.kingbrasil.com.br

Penn-Raiba Carretilhas – www.pennraibacarretilhas.blogspot.com.br

As Matadeiras – www.facebook.com/asmatadeiras

Massa Farofa do Carlão

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

1 Comentario to “LAGO AZUL – MELHOR DO QUE NUNCA! 11/02/14”

  1. jurandir chaves disse:

    Bom dia gostaria de um telefone para contato com pesqueiro lago azul em mogi guaçu,pois os telefone que tem não consigo falar

Deixe um comentario