CÓRREGO DAS ANTAS (LEITOR) – 21 a 23/06/13

CORREGOGILMARCAPA

Nosso leitor Gilmar Dechen, acompanhado de seus amigos, realizou uma boa pescaria de inverno no interior paulista. Os Tambacus foram os que mais apareceram, porém muitas Pirararas fizeram valer a fama do Córrego das Antas, um dos poucos pesqueiros onde os gigantes não hibernam nesta época gelada!

 

 

 

 

Olá amigos pescadores.

Venho relatar aqui minha última pescaria realizada no Córrego das Antas. Recebi um convite do amigo Ricardo Senna para ir até o pesqueiro passar o fim de semana e, como consegui uma folga no trabalho, resolvi sair na sexta-feira de madrugada.

Carro carregado, as 4 horas da manhã peguei a estrada rumo a Glicério, para o lugar que considero ser um dos melhores pesqueiros do Estado de São Paulo.


Cheguei por volta das 8:30 da manhã e, como o restante do grupo só chegaria à noite, montei alguns equipamentos e comecei a pescaria sozinho.

O lugar que escolhi ficar neste início foi na frente do restaurante. Comecei com uma montagem que costumo usar sempre na pesca de tambas, que é um torpedo com um chumbo de poita, chicote de 1 metro, e como isca o pintinho boiando.

Logo nos primeiros arremessos já tenho algumas ações, sempre puxando a isca para baixo, mas quando eu tentava fisgar o peixe soltava. Resolvi então trocar o anzol para um tamanho um pouco maior, foi fatal!

Um ataque puxou tudo para baixo e a briga começou muito pesada, denunciando ser um tamba de bom porte. Muitas tomadas de linha, sempre puxando para a margem do fundo do tanque, e então comecei a desconfiar que era ela, uma Pirarara, que havia entrado no meu equipamento de tamba. Não deu outra! Depois de muito esforço, consigo tirar essa bela pira que já me deixou muito animado e me fez começar a pescaria com o pé direito.



Fôlego retomado, mais um arremesso na mesma montagem e em pouco tempo a bóia tomba lentamente. Corri até a vara que estava na espera e tome fisgada! Dessa vez uma briga mais tranqüila, porém de peixe bom, algumas tomadas de linha e o peixe se rende. Um lindo Tambacu que veio para o peito do pescador.


Peixe registrado e devolvido para a água. Decidi dar um tempo para comer alguma coisa e bater um papo com o pessoal do pesqueiro.

Depois de um pouco de descanso, fui pegar alguns baldes de pintinho e fiz uma pequena ceva com o barco. Mudei a montagem da bóia para um chicote de 30 cm e de isca utilizei duas cabeças de pintinho.

Fui até o meio do lago e cevei com um baldinho. Foi o tempo de voltar até a margem e os peixes começaram a subir bem devagar. Torpedo bem no meio da ceva e peixe na linha! Apesar do clima já estar um pouco frio, os peixes pareciam estar bem ativos e comendo bem.
Bom pra mim que travei outra boa briga com mais um dos grandes Tambacus do Córrego das Antas.


No mesmo esquema, ainda tirei mais dois peixes. Ceva no meio do lago, bóia na água e peixe na ponta da linha.


O último foi bem no finalzinho da tarde.


Depois deste peixe, fui tomar um banho e aguardar o restante da galera chegar. Em torno das 9 horas da noite, enfim nos reunimos todos para uma foto.


Jota, eu (Gilmar Dechen), Paulo Rodrigo, Jorge Fisherman, Nelson Ogawa e Ricardo Senna.

Ficamos no último chalé na margem do restaurante, próximo ao aterro, e armamos nossos equipamentos para as piras por ali.

Usamos várias iscas: Tuvira, Pirambóia, cabeça de peixe, minhocoçu, etc.

Ficamos sentados em frente ao chalé, batendo papo e aguardando as puxadas, mas ao contrário do que esperávamos não tivemos muitas ações.

No meio da noite um alarme dispara, correria geral! Chegando bem no meio do aterro, percebo que é minha vara que está envergada e tomando linha na direção do aerador. Sem perder tempo confirmei a fisgada e comecei a batalha! A pira sempre puxava para baixo do aerador, tentando se enroscar nele ou escapar do anzol, mas com muita paciência e um pouco de habilidade, consigo trazer ela para a margem.


Pirarara pega na cabeça de Tilápia

Durante a noite tivemos mais algumas ações, porém ou elas escapavam durante a briga ou soltavam as iscas ao sentir o peso da linha. Então fomos dormir e descansar para começar novamente os trabalhos bem cedo.

Logo pela manhã, fomos até a margem oposta do restaurante cevar atrás dos grandes tambas. A montagem foi chicotinho de 30 a 40 cm no torpedo e de isca cabeça de pintinho ou miçangas.

Fizemos várias cevas de pintinho com o barco e o primeiro a engatar um bitelo foi o Jota. O peixe puxou a bóia e saiu em disparada, tomando quase toda a linha da carretilha e deixando o pescador em choque. Como era a primeira vez que ele havia ido ao Córrego, não conhecia o tamanho e a força dos bichos deste lugar. Depois de um bom tempo de briga, vence novamente o pescador e o bitelo vem para nossas lentes.



Nosso amigo Bruno Muraichi, que tinha chegado ao pesqueiro e também se reuniu ao grupo, não perdeu tempo e também fisgou um belo Tambacu.



Durante o dia foram vários peixes de tamanhos variados, sempre na ceva de pintinho. Ora batiam nas miçangas ora nas cabeças de pintinho.


Jorge Fisherman, Tambacu


Paulo Rodrigo, Tambaqui

No fim da ceva, o Ricardo arremessou o torpedo e deixou até o peixe subir e levar sua bóia em um belo ataque! Várias tomadas de linha fizeram a carretilha e o pescador trabalharem duro para tirar mais um lindo tamba.



Para fechar a tarde com chave de ouro, vejo minha bóia tombar lentamente, espero ele carregar e dou a fisgada! No começo o peixe ficou parado bem no meio do lago, parecia que nem havia se dado conta que estava fisgado. Comecei a recolher a linha bem lentamente já suspeitando ser um peixe de bom porte. Daí em diante começou a briga de verdade, o peixe tomava muita linha, sempre na superfície, ia e voltava várias vezes. Após muito esforço, consegui cansar o bicho e fui premiado com este belo Tambacu!



Como a noite já estava chegando, conferimos as iscas de Pirarara e ficamos na espera.

O primeiro a abrir a noite de pescaria foi o Jorge. Quando ele percebeu sua vara já estava completamente envergada e tomando linha. Depois de uma boa briga, encosta no barranco essa criança, fisgada no pintinho de fundo.



Algum tempo depois, ouço o alarme de uma das minhas carretilhas e corro para dar a fisgada. Mais uma Pirarara vem para os braços, dessa vez capturada na Tilápia viva.


Depois disso, os peixes deram uma parada geral. Decidimos então fazer uma ceva de ração bem no meio da noite. Os peixes começaram a subir após algum tempo e foi só o Bruno colocar um luminoso na bóia e arremessar no meio da batedeira para ver tudo sumir de uma vez. Muita linha tomada e o peixe não queria se entregar, mas com muito esforço ele encosta no barranco.


Um tambão pego na ceva no meio da madrugada.


Pouco antes de amanhecer, ainda fisgo mais uma pira na Tilápia viva.


No último dia, acordamos bem cedo para aproveitar o restinho de pescaria, pois iríamos embora logo após o almoço.

Eu tinha deixado uma vara na espera desde o dia anterior e nada, mas quando eu menos esperava ouço o alarme cantar alto. Estava um pouco longe da vara e sai correndo até chegar e fisgar a bruta! O peixe brigou muito até se render, bom demais!



O Nelson, que tinha apostado suas últimas fichas em duas varas no aterro, foi recompensado com essa bitela.



Após o almoço, antes de arrumarmos as coisas e partirmos, fizemos uma última ceva na frente do restaurante.

Muita briga e várias tomadas de linha já anunciavam ser um dos grandes. Para fechar, encerrando da melhor forma possível nossa ida ao Córrego, garanto mais este belo Tambacu.


Baguá!


Obrigado a todos que fizeram parte dessa pescaria entre amigos. Parceria sempre!

Agradeço ao Kleber pelo espaço cedido.

Abraços a todos os Loucos!!!

Texto: Gilmar Dechen

Pesqueiro Córrego das Antas
Glicério/SP – Bairro: Caximba
Tel: (18) 3647-6278

Você pode deixar um comentário, ou fazer um trackback para o seu site.

8 Comentarios to “CÓRREGO DAS ANTAS (LEITOR) – 21 a 23/06/13”

  1. Ricardo Massaro disse:

    Córrego é show!!! Em setembro estarei lá!!! Abs!!!

  2. leonardo bruno canale disse:

    ola galera do loucos
    essa pescaria foi show de bola
    mas os tambacus ai do corrego so batem no pintinho boiando????
    como é a modalidade boia cevadeira com chicote longo+ boia pequena
    e anzol com e.v.as????
    obrigado.

  3. Ze Paulo (Zeppha) disse:

    então leonardo esse tipo de pesca é show é de minha preferencia tambem porem lá no corrego é praticamente impossivel pois os tambas só sobem c muita ceva, ou seja pegar o barco levar no minino um balde de ceva 1/4 do saco de 25kg ou mais p que eles possam subir, ai é só montar boia torpedo c chicotinhos que podem variar de 10 a 0,80 cm e miçangas ou coquinho, cocão, cabeça de pintinho e mandar em cima da ceva se voce mandar cevadeira provavelmente so subiram tilapias e carpas, quando voce estiver enrolando a carretilha p dar outra copada a cev que voce fez ja vai ter acabado por isso voce não consegue fazer um volume, isso é um habito dos peixes por lá.

  4. Gilmar Dechen disse:

    Fala Leonardo,
    Então os tambas até batem na cevadeira com o chicote, porém no córrego há muitas tilápias, o que dificulta um pouco, pois as chances de fisgar uma delas ao invés de um tamba são muito grandes.
    Porém, já vi muitos pescadores pegarem grandes peixes na cevadeira, principalmente tambaquis. Nessa pescaria não tentamos, pois como os peixes já estavam um pouco manhosos devido a chegada do inverno, usamos a isca do pesqueiro.
    Abraço.

  5. Jorge Fisherman disse:

    Grande Gilmar,
    Parabéns pela matéria, ficou show de bola.
    Realmente foi uma pescaria maravilhosa. Foi a primeira vez que fui, e posso garantir que foi a primeira de muitas!
    As fotos fazem dispensar os comentários sobre o lugar que é sensacional!
    Fui a convite do amigo Nelson Ogawa, e tive o prazer de conhecer e fazer novos amigos. Pessoal de primeira qualidade!!

    VOU FALAR UMA COISA: o Gilmar tinha um imã no anzol, era só passar perto que grudava no anzol desse rapaz! rsrs
    Abraço a todos, espero pescar com todos vcs novamente!
    Fiquem com Deus!

  6. José Levy disse:

    Parabéns aos pescadores, show de pescaria.

  7. Gilmar Dechen disse:

    Valeu Jorge!!!
    Parabéns pra nós né..kkkk
    Faço das suas as minhas palavras, toda a galera muito gente boa.

    Imã no anzol que nada, tava com sorte pow, kkkkkkk

    Tamo junto parça, e com ctza espero que a gente tenha outra dessas em breve!

    Abraço.

Deixe um comentario